Ilustração de criança indo para a escola com mochila nas costas

Com a colaboração de Raiana Ribeiro
no Portal Aprendiz

Teve início na tarde da última terça-feira (19/11), em Brasília, a I Conferência Nacional de Alternativas para uma Nova Educação (CONANE). Ao todo, cerca de 300 pessoas – entre educadores, estudantes, diretores de escola, gestores e ativistas – estão reunidos para apresentar e discutir propostas e experiências alternativas no campo da educação.

Organizado pelo Coletivo Gaia –um grupo de Brasília que promove educação para o desenvolvimento sustentável de comunidades; e pelo projeto Autonomia – uma iniciativa interdisciplinar de extensão da Universidade de Brasília (UnB), o evento deve trazer ao público até quinta-feira mais de 20 exemplos inovadores na área do ensino e aprendizagem.

Durante a abertura, Jaqueline Moll, diretora de orientações curriculares para a Educação Básica do Ministério da Educação (MEC); José Pacheco, fundador da Escola da Ponte e do Projeto Âncora; Ely Paschoalick, educadora que integra a rede Românticos Conspiradores; Simone Lima, do Projeto Autonomia; e Cláudia Passos, do Coletivo Gaia, saudaram a presença de todos e a realização do encontro.

Emocionado, José Pacheco afirmou que a conferência é um momento histórico e representa um recomeço para a educação brasileira. Ao lado de Ely Paschoalick, Pacheco encabeça o Terceiro Manifesto pela Educação, um documento redigido de forma colaborativa por educadores de todo o Brasil, que denuncia a situação do ensino hoje no país e propõe mudanças efetivas para garantir a qualidade da educação.

“Para outro mundo ser possível, outra educação tem que ser possível”, ressaltou Jaqueline Moll. Ela sugeriu a criação de um “PAC da Educação” – em referência ao Programa de Aceleração do Crescimento lançado durante os governos de Lula e Dilma para promover a retomada de grandes obras de infraestrutura social, urbana, logística e energética do país. “Temos visto PACs para pontes, estradas e aeroportos, o que é importante, mas precisamos de um programa para construir a malha física das escolas”, defendeu.

De acordo com a representante do MEC, o Mais Educação, programa de educação integral do governo federal que vem sendo implantado nas escolas brasileiras, tem contribuído para “desnaturalizar” o olhar sobre o ensino. “Estamos cumprindo no século 21 o que não conseguimos fazer no século 19”, reforçou, lembrando que o programa fornece mais recursos para a escola, convoca os saberes da comunidade e transpõe os muros da academia.

Conferência

A I Conferência Nacional de Alternativas para uma Nova Educação (CONANE) acontece até quinta-feira (21/11), em Brasília, na sede da Legião da Boa Vontade (LBV). Para conhecer a programação acesse o site do evento ou acompanhe a cobertura através do Portal Aprendiz e do Centro de Referências em Educação Integral.