Exclusão - um círculo de prendedores de roupas iguais deixa de fora um diferente

Análise de atitudes de professore.s do ensino fundamental no que se refere à educação inclusiva, por José Leon Crochick et al. Educ. Pesqui. [online]. 2011, vol.37, n.3, pp. 565-582.

Link para download

RESUMO/ABSTRACT

Este artigo, que tem como referência a teoria crítica, relata o resultado de uma pesquisa sobre atitudes em relação à educação inclusiva, realizada com doze professoras do 5º ano do ensino fundamental; dentre elas, seis tinham experiência de ter em sala de aula alunos com deficiência, e seis não tinham. A análise qualitativa dos dados decorrentes do levantamento realizado em seis escolas da rede municipal de Campo Grande (MS) demonstrou que, de modo geral, as professoras foram favoráveis à educação inclusiva. Contudo, ficou evidente a expressão de atitudes preconceituosas veladas ou explícitas no âmbito escolar. A formação para experiência com quem é “diferente” ainda encontra barreiras por conta do preconceito e da discriminação presentes nesta sociedade que tem como lógica uma “inclusão marginal”. Em suas manifestações, apontaram dificuldades de trabalhar com alunos com deficiência intelectual severa; assinalaram que a responsabilidade de trabalhar sob a predominância da educação centrada no desempenho, com foco na inserção das pessoas no mercado de trabalho, gerava um “sentimento de impotência”. Diante das contradições existentes, a educação inclusiva não deixa de evidenciar a presença das injustiças que ainda se apresentam no processo educativo. Apesar disso, foram indicados vários elementos favoráveis a essa forma de educação, que não é dissociada de movimentos sociais mais amplos.