Jovens participam do programa como forma de aprendizado/ Foto: reprodução

O projeto Rádio pela Educação (PRPE), desenvolvido em 1999, promove ações de educomunicações a partir de um programa de rádio que coloca crianças e adolescentes para participarem do mundo da comunicação como protagonistas da própria realidade em que vivem.

Esse projeto é uma ação social realizada pela Diocese de Santarém no Pará, por meio da Rádio Rural de Santarém e em parceria com a Prefeitura de Santarém por meio da Secretaria Municipal de Educação (SEMED).

O programa “Para Ouvir e Aprender”, que é transmitido pela Rádio Rural, aborda o incentivo à leitura e à escrita, além de educação ambiental, os direitos da criança e do adolescente e temas ligados à cidadania. Os professores desenvolvem as atividades em sala de aula, com base em um Guia Pedagógico produzido pela equipe do PRPE em parceria com a Universidade Federal do Pará.

O “Para Ouvir e Aprender” chega a escolas espalhadas na região, tanto nas zonas urbanas quanto nas zonas rurais dos municípios de Santarém, Juruti, Belterra, Monte Alegre e Aveiro, levando as vozes de meninas, meninos, professores, pais, comunitários, especialistas e gestores públicos. Essas vozes falam da escola, comunidade, bairro, cidade, educação, sonhos, esperanças, futuro e cidadania.

A iniciativa tem como objetivos despertar a consciência crítica das crianças e dos adolescentes na busca da valorização de seus direitos; incentivar a leitura, a escrita e o desenvolvimento da expressão oral de professores e alunos; garantir o protagonismo de crianças e jovens na produção de programas radiofônicos nas rádios internas que estão sendo implantadas em escolas e estimular a interação com a comunidade.

Além do programa “Para Ouvir e Aprender”, o projeto conta também com outras linhas de ações como:

-Rede de Repórteres Educativos: é composto por um grupo de crianças e adolescentes, selecionados nas escolas, onde enviam, periodicamente, matérias para a equipe técnica editar e colocar no programa “Para ouvir e Aprender”, garantindo a voz das crianças e adolescentes no rádio, apresentando suas próprias realidades. O grupo recebe capacitação duas vezes por ano, assim como gravadores e fitas K7 para que possam retratar o dia a dia da sua escola/comunidade de acordo com seus pontos de vista.

-Núcleo de Leitores: capacitam crianças e adolescentes para participarem mais efetivamente do programa de rádio, lendo notícias, cartas, histórias, ou mesmo apresentando o programa, pois as crianças e adolescentes protagonizam sua própria história na construção de um processo educacional participativo.

-Núcleo de Radioatores: As radio novelas estão entre as principais atrações do programa de rádio do projeto. É o lúdico chamando a atenção dos alunos. O núcleo de radioatores incentiva a participação de crianças, adolescentes e colaboradores no mundo da interpretação teatral no rádio. O grupo cria as histórias e interpreta os personagens. As produções abordam temáticas educativas, com destaque para as ambientais.

-Encontro do Rádio Pela Educação: acontece de dois em dois anos sempre destacando como temática principal “A escola que queremos”. Reúne, em média, 150 crianças e adolescentes em várias oficinas de comunicação e educação (Dança, Teatro, Arte e Cultura, Vídeo, Rádio, Internet, Educação Ambiental, Educação Especial e Artes Plásticas), que abordam o tema proposto de maneira criativa e dinâmica.

-Oficinas de Rádio no Programa Mais Educação: Membros da equipe do Projeto (repórter e bolsistas) ministram oficinas de rádio do Programa Mais Educação, envolvendo mais de 200 alunos que exercitam a comunicação com atividades práticas de rádio.

-Rádios Internas nas Escolas: Se antes os alunos eram estimulados só por ouvir o programa de rádio, hoje eles já querem ter espaço para se expressar. Por conta disso, surgiu a necessidade de criar rádios internas nas escolas, nas quais os alunos, acompanhados por seus professores, podem criar seus próprios programas de rádio. Agora não mais só ouvem, mas produzem bem mais perto da comunidade escolar.

Fonte: Mercado Ético