Michelle Bachelet
Michelle Bachelet

A ONU Mulheres entra em vigor em 1º de janeiro. A nova agência foi criada pela Assembleia Geral em julho passado, depois de anos de negociações entre os Estados-membros e o movimento global de mulheres.

A instituição terá como diretora-executiva Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile.

Fusão

A nova agência vai incorporar as quatro unidades da ONU dedicadas à igualdade de gênero. Em entrevista à Rádio ONU em Nova York, Bachelet explicou que o maior desafio será formar uma instituição “que tenha os mesmos pilares, mas sob uma entidade comum.”

O Fundo de Desenvolvimento da ONU para Mulheres, Unifem, responsável pela captação de recursos, também deixa de existir como entidade separada. Michelle Bachelet destacou que todas as “estruturas atuais desaparecem” e que a nova agência abrirá concursos para cargos hierárquicos.

A diretora da ONU Mulheres disse ainda que vai lançar em janeiro um plano de trabalho para os 100 primeiros dias de operação.

Orçamento

Em relação ao orçamento de US$ 500 milhões previstos para a agência, equivalentes a R$ 850 milhões, Bachelet explicou que a quantia é apenas “uma estimativa inicial” necessária para a realização dos novos projetos.

Segundo ela, o total disponível deve “ficar abaixo desse valor”. Mas a diretora disse que vários países, entre eles Estados Unidos e Canadá, se comprometeram a aumentar as doações. Bachelet pretende lançar uma campanha no ano que vem para a captação de recursos.

A ONU Mulheres terá ao todo 41 países em seu Conselho Executivo. Entre as nações de língua portuguesa estão Brasil, Cabo Verde, Angola e Timor-Leste

Fonte: Rádio ONU