Inclusive - Corujinha - Produção Acadêmica.

Da exclusão à inclusão: concepções e práticas, por Maria Odete Emygdio da Silva. Revista Lusófona de Educação, Número 13. Lisboa, 2009, pp. 135-153.

Link para download.

RESUMO/ABSTRACT

O caminho da exclusão à inclusão das crianças e dos jovens com necessidades educativas especiais está relacionado com as características económicas, sociais e culturais de cada época, as quais são determinantes para o modo como se perspectiva a diferença. Exclusão, segregação, integração e, nos tempos actuais, inclusão, marcam um percurso, ao qual estão subjacentes concepções e práticas, relativamente às quais, no caso da inclusão, entendida como educação inclusiva, a formação de professores é um dos factores fundamentais à sua implementação.

As características económicas, sociais e culturais de cada época têm determinado o modo como se tem “olhado” a diferença. Do pensamento mágico-religioso dos tempos remotos à divinização no Egipto, da eliminação na Grécia e em Roma ao abandono e ao “sentimento de horror” (Leitão, 1980: 12) vivido na Idade Média, a história da Humanidade mostra-nos que as sociedades têm experimentado grandes dificuldades em lidar com a diferença, seja esta física, sensorial ou psíquica. O caminho da exclusão à inclusão tem sido longo e penoso e muito há ainda para fazer.

Com este artigo pretendemos fazer uma reflexão acerca do percurso escolar das crianças e jovens com necessidades educativas especiais (NEE), situando-o relativamente às concepções que lhe estão subjacentes e às práticas que, de acordo com alguma investigação a este propósito (Vieira, 1995; Madureira, 1997; Leite, 1997; Correia, 1997, citados por Silva, 2001; Rodrigues, 2006; Silva, 2001, 2007), a escola tem desenvolvido para o seu atendimento.