IMAGENS QUE FALAM

Estão abertas as inscrições para o curso sobre áudio-descrição a ser oferecido no Centro de Estudos Inclusivos (CEI) no Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco.

Os interessados devem enviar currículo e carta de intenção, dizendo das razões que os levaram a postular uma das 12 vagas para o curso.

As informações devem ser enviadas exclusivamente por e-mail para o endereço eletrônico ceitrabalhos@ gmail.com , com o assunto “inscrição para curso sobre áudio-descrição”, até o dia 25/08/2008.

No dia 27, das 8:30 às 11:30 se fará um teste presencial com os candidatos, na sala 103 do CE/UFPE

A aprovação do candidato considerará seu currículo, as razões apresentadas na carta de intenção (juntamente com a própria qualidade da escrita desta) e do teste presencial.

Observações:

O curso se dará às quarta-feiras, em encontros semanais de 3 horas, das 14h às 17h, no Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (no CEI, sala 103), entre os meses de setembro a dezembro do corrente ano.

Os alunos receberão os materiais em formato eletrônico e em outras mídias, quando necessário.

Visando a oferta dos materiais requeridos para as aulas, os candidatos aprovados e matriculados farão um investimento de 90 reais, em uma só parcela, para todo o curso.

Outras informações podem ser solicitadas pelo mesmo e-mail.

O professor Francisco Lima vem estudando a áudio-descrição, mais formalmente, desde 2000, e antes disso, por meio de leituras, mormente aquelas em idioma inglês o que lhe dá conhecimento confortável no assunto. Também, vem trazendo esse tema para a disciplina Educação Inclusiva, cadeira que ministra no curso de pedagogia, no Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco, já há 6 anos, embora de maneira rápida, visto que os conteúdos a serem trabalhados nessa cadeira são vários e em apenas 60 horas.

Agora, resolveu pôr o conhecimento que acumulou nestes anos de estudo à disposição dos que se interessam pela acessibilidade comunicacional das pessoas com deficiência visual, em particular, na região nordeste.

Antes disso, já vinha ministrando palestras como, por exemplo, sobre “A Importância da Áudio-descrição nos Áudio-games” (I Encontro Nacional de áudio-games, Uni Sant’Anna, 2006) e orientando alunos em trabalho de áudio-descrição em museus na cidade do Recife. E é no Recife que o Dr. Francisco Lima vem buscando mostrar a necessidade de se oferecer a acessibilidade comunicacional nos museus (por intermédio do acesso às “imagens” e sua descrição aos indivíduos com deficiência visual), por exemplo com a palestra “Pragmática da acessibilidade em museus”, proferida no MAMAM (SPA, 2006), juntamente com o artista plástico e mestre, Alfonso Ballestero.

O professor Francisco Lima defende que a real áudio-descrição é aquela que vai além das descrições de eventos teatrais, televisivos ou de cinema, fazendo falar as imagens às pessoas com deficiência visual.

Com efeito, há mais de uma década, vem estudando a questão da capacidade de a pessoa cega fazer uso ótimo de configurações bidimensionais em relevo e demonstrou irrefutavelmente, em suas pesquisas no mestrado e doutorado, que essa capacidade é maior quando acompanhada de informações verbais adicionais como a oferta de categorias superordenadas, isto é, acompanhada de áudio-descrição.

No curso “Imagens que falam” os participantes entrarão em contato, não só com os conhecimentos para a áudio-descrição de filmes, peças teatrais, conteúdos televisivos e outros, mas também com os constructos que permitam a descrição de figuras, fotos e outras configurações, eventualmente encontradas em apresentações com slides ou transparências, em seminários, congressos e afins, ou, tão somente, em sala de aula, nos livros didáticos dos alunos.

Logo, em “Imagens que falam”, se abordará a áudio-descrição no cinema, tv e teatro, bem como em museus e configurações bidimensionais, visando cumprir mais integralmente o Decreto Federal n° 5.296/04.

O foco, assim, é oferecer ao áudio-descritor ferramentas para tornar o mundo das imagens acessíveis para aqueles que não as vêem, tornando-as significativas, portanto, igualmente relevantes para as pessoas com deficiência visual, tanto quanto elas são para as pessoas que enxergam.

O curso, intitulado “Imagens que falam”, reflete o entendimento de seu propositor, bem como a base teórica que o sustenta, uma vez que para o professor Francisco Lima, “quando se trata de áudio-descrição, as imagens precisam falar aos que não as vêem (com a mesma magnitude e beleza), ainda que por meio da voz ou da escrita do áudio-descritor” .