Logo deficiencia - Cidades e inclusao social - moradia independente para pessoas com deficiencia.

Moradia para pessoas com deficiência é tema de seminário internacional

Instituto JNG reúne arquitetos, políticos e famílias com o objetivo de discutir um

modelo para o Brasil

O Instituto JNG (www.institutojng.org.br) – Organização Social de Interesse

Público – promove, no dia 13 de novembro, o seminário internacional “Cidades e

Inclusão Social – Moradias Independentes para Pessoas com Deficiência”,

reunindo arquitetos, urbanistas, responsáveis por políticas públicas,

profissionais de saúde e famílias. Julian Boswell, arquiteto e diretor da Sherlock

Boswell Architecture, e David Williams, diretor da Ability Housing Association,

que administra mais de mil moradias independentes com suporte

individualizado na Inglaterra, apresentarão suas experiências e relatos de

moradores que aumentaram o nível de independência e autonomia a partir de

uma nova visão sobre a inclusão social. Na ocasião, a Universidade de São Paulo

(USP) apresentará uma pesquisa inédita sobre as necessidades e os custos

adicionais para que pessoas com deficiência tenham uma vida independente.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 45,6

milhões de pessoas declararam ter ao menos um tipo de deficiência no país, ou

seja, 23% da população brasileira. Durante o encontro, o IBGE apresentará uma

análise demográfica sobre a deficiência física, sensorial e mental/intelectual no

Brasil. “Morar sozinho deve ser uma opção para todos. Vivenciamos esta

realidade e sabemos da dificuldade de um suporte que respeite e, inclusive,

amplie o grau de autonomia de pessoas com deficiência. Por isso, criamos uma

rede de parceiros para a construção de alternativas saudáveis, para que elas

vivam bem após a morte de seus pais ou responsáveis”, afirma Flávia Poppe,

presidente do Instituto JNG.

A experiência britânica comprova que qualquer pessoa pode morar sozinha, o

que varia é a quantidade de recursos necessários para apoiá-la. “Não se trata de

copiar o modelo utilizado na Inglaterra, mas discuti-lo e adaptá-lo da melhor

forma possível para a nossa realidade”, avalia Poppe.

O seminário, que acontece no Palácio São Clemente, no Rio de Janeiro, das 8h30

às 17h30, reunirá pesquisadores e profissionais como Izabel Maior, professora

de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e ex-secretária

dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Presidência da República;

Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade; e

Alicia Bercovich, diretora de Pesquisas do IBGE, entre outros.

A programação completa está disponível neste link.