Irina Bokova
Foto: ONU

A menos de mil dias para o prazo final de 2015 dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), nós devemos fazer de tudo para acelerar o progresso. Cultura e diversidade cultural não fazem parte dos objetivos de desenvolvimento internacionalmente reconhecidos – mas eles são “aceleradores” essenciais para atingi-los. Nesta nova era de limites, as capacidades humanas de invenção e de inovação são duas das nossas forças mais poderosas e renovadoras. Esse é o motivo pelo qual a diversidade cultural é tão importante – como uma fonte de criatividade, de dinamismo e de sustentabilidade. Devemos reconhecer, apoiar e compartilhar essa força, com base nos direitos humanos e nos valores universais.

Esse é o estímulo dado pela Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural, de 2001, que nunca foi tão evidente quanto na atualidade – uma época em que os governos estão repensando estratégias para o desenvolvimento sustentável e buscando novas fontes de dinamismo. À medida que avançamos rumo a 2015 e elaboramos uma nova agenda de desenvolvimento global a ser seguida, devemos aproveitar ao máximo o poder da cultura e da diversidade cultural.

A posição da UNESCO é clara. A cultura é um dos motores do desenvolvimento, que é conduzido pelo crescimento do setor cultural e das indústrias criativas, bem como pelos benefícios advindos da salvaguarda do patrimônio cultural tangível e intangível. Ela é também um facilitador do desenvolvimento sustentável – o contexto no qual políticas de desenvolvimento podem avançar, por meio da participação local, com eficiência e impacto. Nesse contexto, o diálogo intercultural é essencial para se aproveitar ao máximo da diversidade, para aprofundar as raízes do desenvolvimento e para compartilhar seus benefícios.

2013 é um ano importante para tratar disso.

Nós devemos construir com base nas duas Resoluções sobre cultura e desenvolvimento adotadas pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 2010 e 2011, e avançar no debate: este mês, durante o Congresso Internacional de Hangzhou, na China; em junho, no Debate Temático sobre Cultura para o Desenvolvimento Sustentável, convocado pelo presidente da Assembleia Geral da ONU; em julho, na Revisão Ministerial Anual do ECOSOC sobre “Ciência, tecnologia e inovação, e o potencial da cultura para promover o desenvolvimento sustentável e atingir os ODMs”; ainda em julho, por ocasião do lançamento da terceira edição do Relatório sobre Economia Criativa, que tem como coautores a UNESCO e o PNUD; em novembro, durante o Fórum Mundial de Cultura em Desenvolvimento, organizado pela Indonésia em parceria com a UNESCO; e no segundo semestre deste ano, por meio de uma possível terceira Resolução da Assembleia Geral da ONU sobre Cultura e Desenvolvimento.

Em tempos de mudança, nós devemos ampliar o debate sobre o desenvolvimento para aproveitar o poder transformador da cultura. Reconhecer e apoiar a diversidade cultural pode auxiliar a abordar as dimensões econômicas e de direitos humanos da pobreza, bem como fornecer soluções criativas e transversais para problemas complexos – desde a saúde e o meio ambiente até o avanço da igualdade de gênero e a educação para todos.

Em uma época de incertezas, a cultura, em toda a sua diversidade, pode promover um senso de identidade e de coesão para as sociedades. Ela é também uma fonte poderosa de criatividade e de inovação. Por fim, nenhuma forma de desenvolvimento pode ser sustentável sem cultura. Essa é a mensagem da UNESCO neste Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento.