Cultura e acessibilidade - símbolos da acessibilidade esculpidos em blocos

Dia 27 – Acessibilidade, Cultura e Inclusão: Enfoque sobre conceitos fundamentais sobre a acessibilidade, pensando o fazer cultural enquanto traço constitutivo do Homem e as pessoas com deficiência como consumidoras e produtoras de cultura, por meio da interação social vista como elemento estimulador da criatividade e da ampliação do olhar. Apresentação da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, vista como base do exercício do acesso à Cultura, à Educação, à Informação e à Convivência. Reflexão sobre as diversas acepções da palavra “Acessibilidade”. *Com Marta Gil* (socióloga, consultora na área da Deficiência; colaboradora do SENAI-SP e do Planeta Educação; Coordenadora Executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas e Fellow da Ashoka Empreendedores Sociais) *Convidados: Lílian Vânia de Abreu Silva Olah e Naiane Caroline Silva Olah* (Tradutoras/ intérpretes português para LIBRAS no evento em comemoração aos setenta anos do Coro Lírico municipal de SP e Naiane como convidada para tradução/interpretação português/LIBRAS no evento Canto Livro realizado pelo MAM, entre outros trabalhos realizados) e *Mark Van Loo* (Diretor artístico*da Bombelêla Dance Company, que atua há mais de 15 anos com dançarinos com e sem deficiência, com prêmios em festivais de dança no Brasil, EUA e Europa)

Dia 28 – Museus e cultura para Pessoas com Deficiência:* Os conteúdos teóricos abordam o histórico do desenvolvimento da acessibilidade cultural no Brasil e a comunicação sensorial como estratégia de acessibilidade para públicos diversos. No âmbito prático serão apresentados casos e materiais coletados recentemente na França, Itália, Estados Unidos da América e em diversas regiões do Brasil. Como atividades práticas serão realizadas: vivência da deficiência visual e auditiva, visita técnica em um espaço cultural com base em instrumento de avaliação de acessibilidade. *Com Viviane Sarraf* (Graduada em Licenciatura em Educação Artística pela Fundação Armando Álvares Penteado (2001), Especialização em Museologia pelo Curso de Especialização em Museologia do MAE-USP em 2004, mestre no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da USP em 2008 e doutoranda no Programa de Comunicação e Semiótica da PUC-SP. Desde 2008 recebeu prêmios e títulos nacionais e internacionais por sua atuação profissional e acadêmica. Organizou em novembro de 2008 o Encontro Regional de Acessibilidade em Museus em parceria com a Fundação Dorina Nowill para Cegos e com o Museu de Arte Moderna de São Paulo, projeto pioneiro no Brasil.

Dia 29 – Audiodescrição e o acesso à programação cultural: *A audiodescrição é um recurso de acessibilidade comunicacional que amplia o entendimento das pessoas com deficiência visual em diversos tipos de eventos e produtos audiovisuais por meio de informação sonora. A palestra abordará a utilização do recurso em suas várias possibilidades, como: peças de teatro, óperas, filmes, espetáculos de dança e outros, e demonstra como tem colaborado para a formação de um novo tipo de público e de uma plateia que aprecia os espetáculos pela magia das palavras. *Com Lívia Maria Villela de Mello Motta* (Professora e doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC de São Paulo, com parte de seu doutoramento feito na Universidade de Birmingham, Reino Unido. Trabalha como audiodescritora e professora de cursos de audiodescrição desde 2005, implementando o recurso em peças de teatro, filmes, óperas, espetáculos de dança, eventos sociais, religiosos e acadêmicos. Foi consultora do MEC/UNESCO e criadora do site blog: Ver com palavras/./ Organizou junto com Paulo Romeu Filho o primeiro livro brasileiro sobre o tema: Audiodescrição: transformando imagens em palavras.)

Dia 30 – O guia digital “Acessibilidade Cultural”:*Iniciativa do Instituto Mara Gabrilli, o guia acessibilidadecultural.com.br http://acessibilidadecultural.com.br disponibiliza informações sobre a acessibilidade dos equipamentos culturais para ampliar o acesso e inclusão de pessoas com deficiência aos espaços, linguagens artísticas, conhecimento e práticas culturais. Nessa palestra serão apresentadas as bases e critérios da pesquisa, que avaliou mais de 300 equipamentos culturais da cidade de São Paulo da perspectiva da acessibilidade. Serão apresentados depoimentos de pessoas com deficiência que usam o guia para sua avaliação. *Com Camila Benvenuto* (Psicóloga e especialista em gestão de ambientes inclusivos. Experiência internacional como acompanhante terapêutica em residência inclusiva para pessoas com deficiência em Richmond Hill / Canadá. Atuou na coordenadoria de projetos de inclusão na Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzia — SMPED. Atualmente coordena o Instituto Mara Gabrilli)Convidados: *Rafael Abilio Públio* (Publicitário formado pela FAAP e pós-graduado em Administração e Marketing pela FMU. Trabalhou na coordenação de projetos de inclusão na Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da cidade de São Paulo ­ SMPED. Atualmente trabalha no desenvolvimento de políticas públicas para pessoas com deficiência no Legislativo, como Assessor da Deputada Federal Mara Gabrilli) e *Leonardo Barbosa Castilho* (Educador e consultor da pesquisa para elaboração do guia digital acessibilidadecultural.com.br http://acessibilidadecultural.com.br)

Serviço

Data: De 27 a 30/11, terça a sexta, das 14h às 18h.

Local: Centro de Pesquisa e Formação – Rua Pelotas, 141, Torre A, 5º andar – Sesc Vila Mariana

Haverá intérprete de Libras.

Dia 1/12, visita a uma programação da Virada Inclusiva, o horário será definido durante o curso.

Dia 4/12, terça, das 14h às 16h.

20 vagas

Valores: R$ 60,00 (não inscritos no SESC); R$ 30,00 (Usuário inscrito no Sesc e dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante); R$ 15,00 (Trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado e seus dependentes)

Inscrições em todas as unidades do Sesc SP e no Portal http://www.sescsp.org.br/centrodepesquisaeformacao