Bandeira da Bolívia - três faixas horizontais vermelha, amarela e verde, com brasão no centro
Bandeira da Bolívia - três faixas horizontais vermelha, amarela e verde, com brasão no centro

La Paz, 27 jul (Prensa Latina) A missão solidária Moto Méndez, um estudo sobre deficiência na Bolívia com a ajuda de Cuba e Venezuela, registrou até hoje 70.551 pessoas com limitações psicomotoras diversas, informa hoje o diário Cambio.

A pesquisa, que leva o nome de um patriota de Tarija e começou de maneira piloto em 2009 nas localidades de Plano Três Mil (Santa Cruz,) Orinoca (Oruro) e nas cidades de El Alto e Viacha (La Paz), espera concluir as análises no próximo dia 13 de agosto, em Santa Cruz.

O jornal, que cita declarações do doutor Nelson Morales, informa que quando se concluir este trabalho elaborarão um documento junto com os ministérios de Educação, Saúde, Trabalho e Moradia, com políticas para a atenção a este setor da sociedade.

De acordo com as estatísticas, até o dia 25 de julho deste ano identificaram em La Paz 16.498 portadores de deficiência; em Oruro, 2.769, e em Potosí, 5.021.

Esses estudos, que em boa parte vão acompanhados da entrega de ajuda técnica, como bengalas ou cadeiras de roda, registrou em Cochabamba 13.403 portadores de deficiência, em Chuquisaca 7.841, em Tarija 5.861, em Pando 914, e em Beni 3.853.

Até o momento, as pessoas com algum tipo de deficiência em Santa Cruz (leste) somam 14.471, em sua maioria com idades entre 15 e 40 anos.

Esta missão também possibilita a reinserção à sociedade dos portadores de deficiência.

O Governo da Venezuela entregou uma doação de 20 toneladas de equipamentos e instrumentos, entre eles camas especiais, cadeiras de rodas, bengalas, colchões, audiofones para surdez e outros implementos.

Concluída a quantificação dos deficientes, o governo boliviano anunciou a construção de três centros de reabilitação em El Alto, Santa Cruz e Cochabamba.

Os médicos que conformam a Moto Méndez também atenderam 288 mil pacientes que padecem de outras doenças, e os que apresentavam gravidade foram enviados a centros de saúde e hospitais.

Este tipo de investigação se realizou em Cuba e Venezuela e atualmente ocorre no Equador e na Nicarágua.

Fonte: http://www.prensa-latina.cu/index.php?option=com_content&task=view&id=208830%20&Itemid=1