Retratos do Autismo no Brasil é lançado em Brasília

quinta-feira, outubro 24, 2013
Ilustração de carta simbolizando o e-mail.

Envie por e-mail





Envie por e-mail | Aumentar a fonte do texto. Diminuir a fonte do texto. | Por Equipe Inclusive

Foto: SDH/PR

Faça download do livro neste link.

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e a Associação dos Amigos do Autismo de São Paulo (AMA/SP) lançaram na quarta-feira (16), em Brasília, o livro Retratos do Autismo no Brasil.

A ministra da SDH/PR, Maria do Rosário, participou da cerimônia de lançamento da publicação, que contou com palestras e debates sobre a temática das pessoas com deficiência no Brasil.

Para Rosário, o livro abre possibilidades para uma jornada pouco abordada na agenda institucional do país, que não deve estar só no âmbito médico.

“Nós estamos respondendo com esse encontro a uma necessidade muito importante para o governo federal sobre o significado de viver sendo autista no nosso país”, destacou a ministra.

Presente no evento, o secretário nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Antônio José Ferreira, lembrou que apesar das pessoas autistas estarem contempladas pelas políticas transversais do Plano Nacional da Pessoa com Deficiência – Viver sem Limite, a iniciativa sinaliza a vontade do governo federal em proporcionar políticas mais específicas.

A intenção do governo, afirmou o secretário, é inserir mais ações de governo para aprimorar as políticas públicas para estas pessoas dentro do espectro do autismo.

“Diante da luta contra a invisibilidade social por parte das pessoas com deficiência, os autistas e suas famílias precisam lutar contra a invisibilidade dentro do próprio segmento, na busca pela sua cidadania. Nosso papel é considerar a dimensão de suas especificidades”, alertou Ferreira.

Debates

A representante do Ministério da Saúde, Vera Mendes, da Área Técnica da Saúde da Pessoa com Deficiência e Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA), apresentou documento, lançado em abril de 2013, que estabelece indicadores no desenvolvimento infantil e destaca sinais de alerta para orientar o diagnóstico precoce da doença.

De acordo com o estudo, a detecção pode ocorrer a partir da observação de fatores como interação social, linguagem, brincadeiras e alimentação.

A política de inclusão do governo federal nas escolas de ensino regular e o papel da educação especial foram abordados pela diretora de Políticas de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC), Martinha Clarete Dutra.

A diretora falou também da implementação da Lei nº 12.764/2012, que instituiu a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e as diretrizes para sua implementação. O tema empregabilidade também entrou na pauta de debates.

Livro

Cerca de 300 exemplares da publicação foram distribuídas entre os participantes do evento. A versão digital já disponível para download.

Estiveram presentes na solenidade, a psicóloga Maria América, uma das autoras do livro, a presidente da Associação Brasileira de Autismo, Marisa Fúria, a conselheira do Conade, Telma Maria Viga, entre outras autoridades.

Fonte: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia também:

Lindbergh Farias é eleito presidente da Subcomissã...
A regulamentação da convenção da Organização das N...
Curta-metragem sobre "inclusão radical"
Abstemo-nos absolutamente de tecer qualquer coment...

Enviar comentário