Pesquisa: Crianças com síndrome de Down aprendem mais e melhor na escola regular

sexta-feira, outubro 11, 2013
Ilustração de carta simbolizando o e-mail.

Envie por e-mail





Envie por e-mail | Aumentar a fonte do texto. Diminuir a fonte do texto. | Por Equipe Inclusive

Imagem mostrando tabela que comprova que alunos com síndrome de Down aprendem melhor na escola regular do que na especial.

Todas as pessoas com síndrome de Down que chegaram à faculdade no Brasil estudaram em escolas comuns da rede regular de ensino. O mais amplo estudo sobre o tema, conduzido de 1987 a 1999 pelo Reino Unido e atualizado em 2006, acompanhou o aproveitamento escolar de dois grupos de 90 crianças com síndrome de Down – o 1º grupo em escola regular e o 2º grupo em escola especializada. Os resultados do estudo demonstram que crianças com síndrome de Down aprendem mais e melhor em ambiente inclusivo, sobretudo em áreas essenciais à independência funcional do indivíduo como comunicação (oral e escrita) e habilidades acadêmicas (incluindo leitura, escrita e aritmética).

Com base nos resultados desse estudo e em respeito à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas, incorporada ao ordenamento jurídico brasileiro com equivalência de emenda constitucional (Decreto No6.949/2009), o Fórum Nacional de Educação Inclusiva[1] e a Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down[2] defendem a educação universal para pessoas com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação em escola comum da rede regular de ensino. Nesse contexto, a Frente e a Federação defendem a redação original da Meta 4 do Plano Nacional de Educação (PNE), deliberada pela CONAE 2010 e acolhida pelo Senador José Pimentel (CCJ).

Resultados[1]

(Médias baseadas na Escala de Comportamento Adaptativo de Vineland)


[1] Fonte: A comparison of mainstream and special education for teenagers with Down syndrome: Implications for parents and teachers, Sue Buckley, Gillian Bird, Ben Sacks and Tamsin Archer: http://www.down-syndrome.org/reports/295/?page=1

Habilidades Escola Regular Escola Especializada
Comunicação 16,11 12,65
Leitura 26,56 14,96
Escrita 15,78 12,65
Aritmética 17,22 11,30
Finanças 10,06 11,65
Conhecimento Geral 28,06 20,74
Aproveitamento Escolar Total 97,67 71,30

A escola é de TODOS!

Crianças com e sem deficiência JUNTAS em classes comuns do ensino regular

Educação e Diversidade = Direito Humano


Leia também:

No Brasil, o direito ao voto é realmente igual par...
Por Beto Pereira, Ethel Rosenfeld e Flavia Boni Li...
Menina dos Meus Olhos, 13 a 15/12, Nova York
Peça de teatro escrita e encenada por jovem brasil...

5 Responses to “Pesquisa: Crianças com síndrome de Down aprendem mais e melhor na escola regular”

  1. [...] Pesquisa: Crianças com síndrome de Down aprendem mais e melhor na escola regular http://www.inclusive.org.br/?p=25554 [...]

  2. isvanil P.S.Teixeira on 13 de outubro de 2013 at 15:02

    Boa tarde a todos,
    Gostaria de saber se o estudo pode obervar em que área do conhecimento esses alunos se engressaram? E se há uma área que eles encontraram maior facilidade e por tanto seguiram carreira.
    Abraço fraterno a todos,

    isvanil mãe de Mário(SD)

  3. Marilei Martins Collares on 14 de outubro de 2013 at 17:56

    Eu, mãe de uma S/DOWN COM 50 ANOS, sou a prova mais real que o ensino regular inclusivo é o melhor caminho. Minha filha FOI ALFABETIZADA a 50 anos atrás, no ensino regular, com mais de 20 alunos em classe, com reforço em casa. A sua escrita é ótima, sua leitura também. Não continuou os estudos após concluir a 8ª série pelas barreiras que até hoje encontramos. Trabalha de carteira assinada, e tem varias atividades.

    Marilei mãe S/DOWN

  4. Hercilio on 14 de outubro de 2013 at 18:16

    Gostaria de saber se proibir o governo de destinar verbas ao ensino especial também é considerado constitucional, da ONU ou direitos humanos, pois é isso que se pretende ao exigir exclusividade para a escola regular.
    Os pais que estão na educação especial não exigem exclusividade, apenas querem que a opção seja respeitada, via de regra quem está no ensino especial são aqueles onde já houve fracasso no ensino regular, porque é tão difícil assim aceitar essa realidade.
    Outra coisa, a exigência de exclusividade para o ensino regular, parte do princípio de que o mesmo vai ficar bom apenas pela matrícula exclusiva no mesmo, o que sabemos não será simples, pois via de regra, só a matrícula tem sido garantida, o apoio especializado exige mais verbas e especialização e não acontece.
    De minha parte sei muito bom onde vão parar meu filho e seus milhares de colegas que estão no ensino especial, vão para casa ficar ociosos e sm nada pra fazer, pois já passou da idade e não tem condições de se profissionalizar.
    Ele passou 10 anos na escola regular, ia bem, com dificuldades, mas vigora na escola a falsa ideia de que chegarão ao nível dos outros, como não acontece começam a receber diagnósticos os mais diversos dos professores e exigência de relatórios médicos. Aí veio a adolescência e a defasagem idade/série, de tanto ser exigido o que ele não sabia e ser chamado de burro pra cima, surtou, agrediu a professora e foi culpado pela sua situação. Passou a depender de medicamentos, regrediu e hoje é dependente, os traumas adquiridos não vão embora, está feliz no ensino especial, mas sem ele, tudo se acaba, nada sobrará.
    Minha meta e a de muitos pais que conheço é que sejam felizes, à minha acrescento o desejo de que consiga evitar surtos para que não perca mais neurônios durante os mesmos. São desejos simples, há pessoas com mais de uma deficiência que dificilmente serão bem atendidas no ensino regular e desde a infância.
    Meu pedido é: ouçam os pais, também sonhei que meu filho levaria uma vida normal, ele tem 25 anos e meus sonhos já são bem mais modestos, lutem pela inclusão e contem comigo pra isso, mas sua luta não pode querer que milhares sejam abandonados.

  5. isvanil P.S.Teixeira on 16 de outubro de 2013 at 13:50

    Queridos!Meu clamor vai para as autoridades do Brasil!Que suas decisões sejam iluminadas por Deus!Para que nossos filhos e famílias continuem com a opção “Da escolha”, Em qual escola levar o filho! Qual a melhor se adapta ao filho, Qual a escola preferida pelo filho!!! Minha meta há anos atrás, era recheada de grandes sonhos! De dias melhores na vida intelectual e profissional de meu filho Mário!Com todo nosso empenho, (mãe, filho, profissionais, etc)! Ainda assim encontramos “barreiras”, talvez unicamente pelas condições intelectuais inerentes a ele(Mário)! Hoje vive feliz sem grandes lutas a busca acelerada de melhoria intelectual. Não vamos esquecer os filhos como o meu! Teve a oportunidade de escolher, escola especial para seu desenvolvimento e vivência! Opção dele para uma vida feliz!Desacelerada! Simples! Assim como ele! Com grandes sonhos, porém mais próximos, que vão desde um abraço ao amigo, um torpedo para a namorada, caminhada pela avenida com seu rádio pen drive tocando suas músicas preferidas ao pé do ouvido! Telefonema, email para a irmã! Uma partida de boliche com direito a “strike”! ao dia-dia com seus heróis, etc! Enfim! Quando acredito que já sei tudo! Lá vem o Mário! Me apresentando uma outra maneira de olhar o mundo e a todos! Gostaria de registrar que acredito na Inclusão! Esse é o caminho para todos aqueles que conseguem se desenvolver intelectualmente e conquistam seu espaço nas bancos de universidades garantindo êxito em sua vida profissional e familiar. Assinei porque acredito e Repassei a todos meus contatos Lista para Convivência de Crianças Com ou Sem Deficiência Que Possam Juntas Freqüentarem Escola Regular SEM Restrições! Abraço fraterno a todos.

    Isvanil mãe de Mário(SD) Taubaté.

Enviar comentário