Sociedade ideal?! Não concordo, sociedade apartada

terça-feira, setembro 11, 2012
Ilustração de carta simbolizando o e-mail.

Envie por e-mail





Envie por e-mail | Aumentar a fonte do texto. Diminuir a fonte do texto. | Por Equipe Inclusive
Sob fundo branco, aparecem quatro círculos, dois em cima, dois embaixo, cada um com uma palavra escrita sobre ele. No primeiro, entitulado "Inclusão", predominam bolinhas verdes, que convivem com amarelas, azuis e vermelhas dentro do mesmo círculo. No círculo entitulado "Exclusão", as bolinhas verdes estão dentro do círculo e as bolinhas amarelas, azuis e vermelhas encontram-se á volta dele, do lado de fora. Na imagem "Separação", no círculo grande estão as bolinhas verdes e em outro círculo menor, ao lado, aparecem as bolinhas vermelhas, azuis e amarelas. O círculo "Integração" traz bolinhas verdes e um segundo círculo menor dentro dele, onde se encontram as bolinhas vermelhas, azuis e verdes.

Por Naziberto Lopes

Destaco a seguir aos meus comentários o artigo de hoje do jornalista Jairo Marques, “Quinze Dias no Mundo Ideal”, que fala dos 15 dias que passou em Londres, durante a disputa das Paralimpíadas. Faço esse destaque para discordar frontalmente do autor, para dizer que a sociedade que ele vislumbrou é algo artificial, produzida somente para aquele momento, durante aquele evento, para durar 15 dias e não para se perpetuar, como deveria ser a coisa certa.

Desde o início de minha militancia e ativismo social e político nas causas dos direitos das pessoas com deficiência eu defendo que as Olimpíadas devem ser uma única coisa, que os jogos devem ser realizados no mesmo momento, todos os atletas juntos e que a delegação brasileira deve ser uma só, bem como a dos outros países, afinal, são atletas com uma única bandeira, língua, cultura, nacionalidade.

Claro que o feito dos atletas com deficiência deve ser ressaltado, assim como o desempenho de todos os outros atletas, tenham ganhado mais ou menos medalhas, afinal, as comparações nesse sentido não podem e nem devem ser feitas, pois cada qual é mestre dentro de suas limitações e categorias nas quais competem.

Todavia, a separação, a segregação dos atletas com deficiência em momentos separados, dias e dias após o encerramento das Olimpíadas convencionais, no meu entendimento é defender aquilo que tanto combatemos, ou seja, enquadrar as pessoas dentro de suas caixas, de seus guetos, de suas áreas pré determinadas em função de não poderem participar da sociedade como um todo.

Dizer que 15 dias após os jogos convencionais a cidade de Londres ficou recheada de pessoas com deficiência é o mesmo que dizer que abriram-se as portas dos asilos, das prisões e dos conventos e deixaram a galera diferente sair às ruas, andar pelas calçadas e participarem, agora sim, da festa, depois que ela já foi realizada e que os faxineiros já limparam a bagunça deixada pela galera da festa principal.

Por que não toda galera participando da festa juntos? Por que não uma única festa para a comemoração de uma única coisa, ou seja, a celebração de um grande encontro esportivo entre Nações do mundo inteiro que disputarão jogos de diversas modalidades? Por que não uma única torcida, uma única arquibancada repleta de torcedores que gostam do esporte praticado como ele tiver que ser praticado, com próteses de titânio ou com pernas de carne e osso, com cadeiras de rodas ou com tênis tecnologicamente construídos para aquilo?

E o pior de tudo é saber que são as próprias pessoas com deficiência que defendem a existência dos jogos olímpicos separados, apartados, os normais de um lado e os não normais do outro. E depois disso, depois que o mundo inteiro, que assiste às olimpíadas convencionais, discrimina e coloca em caixas, em guetos e em sociedades paralelas as pessoas com deficiência, reclamamos, questionamos os porquês, buscamos as explicações.

Quem televisionou as olimpíadas paralelas das pessoas com deficiência no Brasil? Quem transmitiu ao vivo? Quem fez jornais e matérias especiais para destacar as conquistas ali alcançadas? Bom, em rede aberta ninguém, nem mesmo a Rede Record, com aquela hipocrisia toda de programas voltados para pessoas com deficiência, o tal do ressoar, se dignou a dar uma manchete que seja sobre o assunto.

Somente quem tinha televisão a cabo teve condições de assistir o canal Sport TV transmitir alguns jogos. Mas é uma televisão paga, restrita, somente para poucos.

Claro que essa minha crítica não vai somente sobre o Brasil, pois se as olimpíadas paralelas para as pessoas com deficiência são feitas da forma que são é porque existe um acordo internacional de segregação, de separação, de divisão social entre os atletas normais e os atletas não normais. Por isso a crítica vai para os organizadores como um todo, que propagandeiam, a cada quatro anos, em rede mundial e para todo mundo ver, que a sociedade ideal, na verdade, é a sociedade onde as pessoas normais disputam jogos em um momento e as pessoas com deficiência chegam depois, dias depois, para disputar os mesmos jogos.

Essa é a pior propaganda de segregação, divisão social, apartheid que eu vejo escancarada de quatro em quatro anos, desde que os jogos paralelos para pessoas com deficiência foram criados, e o pior é que eu não vejo ninguém mais defender a união e o fim dessa segregação.

É a minha opinião. E parabéns aos atletas com deficiência, ressalvado tudo acima, que para mim são atletas que não merecem chegar e sair depois, e sim, chegar e sair junto com todos os outros. Qualquer coisa diferente disso é discriminação e aqui no caso, auto segregação.

Fiquem com a matéria de Jairo Marques da Folha de São Paulo de hoje…

Quinze dias no mundo ideal

Naziberto Lopes
Visite: www.livroacessivel.org/blog o site/blog do MOLLA – Movimento pelo Livro e Leitura Acessíveis no Brasil
Fonte: Grupo de Discussão MVI Brasil e Folha de São Paulo

Leia também:

"O impacto do preconceito nas crianças" ...
"O impacto do preconceito nas crianças" ...
Em Minas, 1653 professores terão formação sobre ed...
Na última segunda-feira (21), teve início a quinta...

3 Responses to “Sociedade ideal?! Não concordo, sociedade apartada”

  1. Gabi Antunes on 12 de setembro de 2012 at 0:53

    Olha, desculpe, faço suas palavras as minhas, eu tentei colocar exatamente como você colocou e não consegui, texto perfeito, uma vez me perguntei: Por que caraois não fazem tudo junto e misturado nessas Olimpíadas?

  2. Tuca Monteiro on 12 de setembro de 2012 at 18:43

    Concordo plenamente com o Nazilberto. Outro exemplo são propostas de centros de treinamento exclusivo para atletas com deficiência pelos gestores públicos emoldurado pelo discurso da inclusão! Sempre digo: Incluir não e’ integrar!
    Queremos todo mundo junto e misturado!

  3. letícia Zotta on 13 de setembro de 2012 at 11:03

    Parabéns pelo texto, concordo plenamente. Mas não é só nas olimpiadas não! Tenho um filho com síndrome de down e me recuso a participar de atividades separadas, no carnaval tem até bloco separado p eles…fala sério!?! Se for p ir a qualquer lugar é p ir a qualquer lugar junto com todas as pessoas. Inclusão é participar da sociedade a todo momento.

Enviar comentário