Novidades sobre pesquisas em síndrome de Down

segunda-feira, novembro 21, 2011
Ilustração de carta simbolizando o e-mail.

Envie por e-mail





Envie por e-mail | Aumentar a fonte do texto. Diminuir a fonte do texto. | Por Equipe Inclusive

Por Patricia Almeida

O Dr. Michael Harpold, Coordenador Científico da Down Syndrome Research and Treatment Foundation (DSRTF), em conferência pela internet em 22/11, informou sobre os avanços nas pesquisas financiadas pela DSRTF além das últimas novidades no estudo de tratamentos medicamentosos que poderão melhorar a qualidade de vida e a independência para pessoas com síndrome de Down.

Segundo o Dr Harpold, os investimentos na pesquisa em síndrome de Down vêm aumentando significativamente, tanto por parte de organizações privadas como a própria DSRTF, como por recursos governamentais norte-americanos. Mas muito mais ainda é necessário para que as pesquisas avancem o suficiente a ponto de se chegar a um medicamento testado e aprovado pelo FDA (entidade norte-americana responsável pela aprovação de medicamentos – equivalente à brasileira ANVISA).
Atualmente a Fundação está financiando diversos estudos nas universidades norte-americanas de Stanford, San Diego, Johns Hopkins, Arizona, VA Palo Alto e Austin, entre outras.
Foi criado ainda o DS Cognition Project, um pool de 8 instituições americanas, coordenadas pela universidade Johns Hopkins, em Maryland, trabalhando em colaboração para obtenção de resultados mais rápidos.
Uma das pesquisas promovidas pela DSRTF na Universidade de Arizona, chegou ao « Arizona Cognitive Test Battery », o primeiro teste desenhado especificamente para medir os avanços cognitivos em pessoas com SD. Esse tipo de exame é fundamental para a avaliação das drogas que estão sendo estudadas quando chegarem à fase de análise clínica.
Além de arrecadar recursos para aplicação em pesquisa, outro trabalho da DSRTF é convencer as empresas farmacêuticas a realizar estudos para produção de novos medicamentos que possam ser usados no tratamento de indivíduos com síndrome de Down.
Nesse sentido, a Fundação, em setembro de 2011 alcançou uma grande vitória ao conseguir o emgajamento  da grande empresa farmacêutica Roche que irá realizar um estudo clínico de medicamento para melhorar a capacidade cognitiva e comportamental em pessoas com síndrome de Down.
Foi formado ainda o Down Syndrome Consortium, que une organizações interessadas em síndrome de Down, com o objetivo de informar à comunidade de SD os avanços na área, pesquisas em curso e possibilidades para futuros estudos. Em troca, aqueles que trabalham em pesquisa e tratamento de pacientes com SD compartilham suas experiências e ideias para novas pesquisas.
Um dos estudos citados pelo Dr Harpold, é de um medicamento que foi aplicado em modelos de camundongos com síndrome de Down recém nascidos e que com apenas uma dose foi restituido o cerebelo do roedor.
Os investigadores estão explorando as diversas relações entre excitação e inibição causadas pelo gene APP que repercute na placa amioloide, também afetada em pessoas com Alzheimers.
Comentou sobre o trabalho do Dr Pierce Shinomura, que tem um filho com SD e está estudando formas de prevenir a placa com base em neurodegeneração.

O Dr Harpold notou ainda que, ao estudar doenças como Alzheimers, que acontece frequentemente em pessoas com síndrome de Down, poderá se chegar a medicamentos que sirvam para toda a população afetada. Além disso, está sendo pesquisada a relação entre o cromossomo 21 a mais e tumores sólidos e arteriosclerose, uma vez que as pessoas com SD praticamente não apresentam nenhuma das duas ocorrências e as descobertas nessa área poderá levar a tratamentos para elas. Dessa maneira as pessoas com síndrome de Down, com suas qualidades únicas, estarão contribuindo enormemente com a sociedade.

Para finalizar o Coordenador Científico da DSRTF afirmou que esta é uma época muito promissora para pessoas com síndrome de Down e que as pesquisas visando tratamentos beneficiarão não apenas bebês e crianças, mas também os adultos com síndrome de Down, e que os primeiros resultados podem vir a ser conhecidos nos próximos anos.

Fonte – DSRTF e Inclusive

Leia também:

Brasília recebe 5ª Festival Internacional de filme...
Serão exibidos 28 filmes de 12 países, dentre eles...
Campanha da Convenção sobre os Direitos das Pessoa...
Será lançada em Natal, Rio Grande do Norte, por oc...

Enviar comentário