Nota Oficial sobre o Projeto Escola Sem Homofobia

quinta-feira, janeiro 20, 2011
Ilustração de carta simbolizando o e-mail.

Envie por e-mail





Envie por e-mail | Aumentar a fonte do texto. Diminuir a fonte do texto. | Por Equipe Inclusive
Escola sem homofobia

O que é o Projeto Escola Sem Homofobia?

O Projeto Escola Sem Homofobia, apoiado pelo Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (MEC/SECAD), tem como objetivo “contribuir para a implementação do Programa Brasil sem Homofobia pelo Ministério da Educação, através de ações que promovam ambientes políticos e sociais favoráveis à garantia dos direitos humanos e da respeitabilidade das orientações sexuais e identidade de gênero no âmbito escolar brasileiro”. Uma análise de situação justificando o projeto e suas atividades se encontra ao final deste documento.

O Projeto foi planejado e executado em parceria entre a rede internacional Global Alliance for LGBT Education – GALE; a organização não governamental Pathfinder do Brasil; a ECOS – Comunicação em Sexualidade; a Reprolatina – Soluções Inovadoras em Saúde Sexual e Reprodutiva; e a ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Todas as etapas de seu planejamento e execução foram amplamente discutidas e acompanhadas de perto pelo MEC/SECAD.

Produtos do Projeto Escola Sem Homofobia

O Projeto teve dois produtos específicos, a fim de alcançar o objetivo acima mencionado:

1) Um conjunto de recomendações elaborado para a orientação da revisão, formulação e implementação de políticas públicas que enfoquem a questão da homofobia nos processos gerenciais e técnicos do sistema educacional público brasileiro, que se baseou nos resultados de duas atividades:

a) A realização de 5 seminários, um em cada região do país, com a participação de profissionais de educação, gestores e representantes da sociedade civil, para obter um perfil da situação da homofobia na escola, a partir da realidade cotidiana dos envolvidos.

b) A realização de uma pesquisa qualitativa sobre homofobia na comunidade escolar em 11 capitais das 5 regiões do país, envolvendo 1406 participantes, entre secretários(as) de saúde, gestores(as) de escolas, professores(as), estudantes e outros integrantes das comunidades escolares. A metodologia da pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Unicamp.

2) A incorporação e institucionalização de uma estratégia de comunicação para trabalhar a homossexualidade de forma mais consistente e justa em contextos educativos e que repercuta nos valores culturais atuais. A estratégia compreende:

a) Criação de um kit de material educativo abordando aspectos da homo-lesbo-transfobia no ambiente escolar, direcionado para gestores(as), educadores(as) e estudantes.

b) Capacitação de técnicos(as) da educação e de representantes do movimento LGBT de todos os estados do país para a utilização apropriada do kit junto à comunidade escolar.

Kit de material educativo Escola sem Homofobia

O material se destina à formação dos/das professores(as) em geral, dando a eles subsídios para trabalharem os temas no ensino médio.

Trata-se de um conjunto de instrumentos didático-pedagógicos que visam à desconstrução de imagens estereotipadas sobre lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais e para o convívio democrático com a diferença, contribuindo para:

  • Alterar concepções didáticas, pedagógicas e curriculares, rotinas escolares e formas de convívio social que funcionam para manter dispositivos pedagógicos de gênero e sexualidade que alimentam a homofobia.
  • Promover reflexões, interpretações, análises e críticas acerca de algumas noções que frequentemente habitam as escolas com tal “naturalidade” ou que se naturalizam de tal modo que se tornam quase imperceptíveis, no que se refere não apenas aos conteúdos disciplinares como às interações cotidianas que ocorrem nessa instituição.
  • Desenvolver a criticidade infanto-juvenil relativamente a posturas e atos que transgridam o artigo V do Estatuto da Criança e do Adolescente, segundo o qual: “Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais”.
  • Divulgar e estimular o respeito aos direitos humanos e às leis contra a discriminação em seus diversos âmbitos
  • Cumprir as diretrizes do MEC; da SECAD; do Programa Brasil sem Homofobia; da Agenda Afirmativa para Gays e outros HSH e Agenda Afirmativa para Travestis do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de AIDS e das DST entre Gays, HSH e Travestis; dos Parâmetros Curriculares Nacionais; do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT; do Programa Nacional de Direitos Humanos III; das deliberações da 1ª Conferência Nacional de Educação; do Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos; e outras.

O kit é composto de:

- um caderno

- uma série de seis boletins (Boleshs)

- três audiovisuais com seus respectivos guias

- um cartaz

- cartas de apresentação para o/a gestor(a) e para o/a educador(a).

Segue um resumo dos materiais do kit:

  • Caderno Escola sem Homofobiapeça-chave do kit, articula com os outros componentes (DVDs/audiovisuais, guias que acompanham os DVDs/audiovisuais, boletins). Traz conteúdos teóricos, conceitos básicos e sugestões de dinâmicas/oficinas práticas para o/a educador(a) trabalhar o tema da homofobia em sala de aula/na escola/na comunidade escolar visando a reflexão, compreensão, confronto e eliminação da homofobia no ambiente escolar. As propostas de dinâmicas contidas no caderno têm interface com os DVDs/audiovisuais e boletins.
  • Boletins Escola sem Homofobia (Boleshs) - série de 6 boletins, destinados às/aos estudantes cada um abordando um assunto relacionado ao tema da sexualidade, diversidade sexual e homofobia. Trazem conteúdos que contribuem para a compreensão da sexualidade como construção histórica e cultural; para saber diferenciar sexualidade e sexo; para reconhecer quando valores pessoais contribuem ou não para a manutenção dos mecanismos da discriminação a partir da reprodução dos estereótipos; para agir de modo solidário em relação às pessoas independente de sua orientação sexual, raça, religião, condição social, classe social, deficiência (física, motora, intelectual, sensorial); para perceber e corrigir situações de agressão velada e aberta em relação a pessoas LGBT.
  • Audiovisuais:

a)      DVD Boneca na Mochila (Versão em LIBRAS)

Ficção que promove a reflexão crítica sobre como as expectativas de gênero propagadas na sociedade influenciam a educação formal e informal de crianças, através de situações que, se não aconteceram em alguma escola, com certeza já foram vivenciadas por famílias no mesmo contexto ou em outros. Ao longo do audiovisual, são apresentados momentos que revelam o quanto de preconceito existe em relação às pessoas não heterossexuais.

Baseado em história verídica, mostra um motorista de táxi que conduz uma mulher aflita chamada a comparecer à escola onde seu filho estuda, apenas porque o flagraram com uma boneca na mochila. Durante o caminho, casualmente, o rádio do táxi está sintonizando um programa sobre homossexualidade que, além de noticiar o fato que se passa na escola onde estuda o menino em questão, promove um debate com especialistas em educação e em psicologia, a respeito do assunto.

b)     DVD Medo de quê?

Desenho animado que promove uma reflexão crítica sobre como as expectativas que a sociedade tem em relação ao gênero influenciam a vivência de cada pessoa com seus desejos, mostrando o cotidiano de personagens comuns na vida real. O formato desenho animado, sem falas, facilita sua exibição para pessoas de diferentes contextos culturais, independente do nível de alfabetização dos/das espectadores(as).

Marcelo, o personagem principal, é um garoto que, como tantos outros, tem sonhos, desejos e planos. Seus pais, seu amigo João e a comunidade onde vive mostram expectativas em relação a ele que não são diferentes das que a sociedade tem a respeito dos meninos. Porém nem sempre os desejos de Marcelo correspondem ao que as pessoas esperam dele. Mas quais são mesmo os desejos de Marcelo? Essa questão gera medo, tanto em Marcelo quanto nas pessoas que o cercam.

Medo de quê? Em geral, as pessoas têm medo daquilo que não conhecem bem. Assim, muitas vezes alimentam preconceitos que se manifestam nas mais variadas formas de discriminação. A homofobia é uma delas.

c)      Audiovisual Torpedo

Audiovisual que reúne três histórias que acontecem no ambiente escolar: Torpedo; Encontrando Bianca e Probabilidade.

Torpedo – animação com fotos, que apresenta questões sobre a lesbianidade através da história do início do namoro entre duas garotas que estudam na mesma escola: Ana Paula e Vanessa.

Ana Paula estava na aula de informática quando deparou toda a turma vendo na internet fotos dela e de Vanessa numa festa, que haviam sido divulgadas por alguém para a escola toda. A partir daí, as duas se questionam sobre como as pessoas irão reagir a isso e sobre que atitude devem tomar. Após algumas especulações, decidem se encontrar no pátio na hora do intervalo. Lá, assertivamente, assumem sua relação afetiva num abraço carinhoso assistido por todos.

Encontrando Bianca – por meio de uma narrativa ficcional em primeira pessoa, num tom confessional e sem autocomiseração, como num diário íntimo, José Ricardo/Bianca revela a descoberta e a busca de sua identidade de travesti. Sempre narrada em tempo presente, acompanhamos a trajetória de Bianca e os dilemas de sua convivência dentro do ambiente escolar: sua tendência a se aproximar e se identificar com o universo das meninas; as primeiras vezes em que, em sua casa, se vestiu de mulher; a primeira vez em que foi para a escola com as unhas pintadas, cada vez assumindo mais, no ambiente escolar, sua identidade de travesti; a dificuldade de ser chamada pelo nome (Bianca) com o qual se identifica; os problemas por não conseguir utilizar, sem constrangimentos, tanto o banheiro feminino quanto o masculino; as ameaças e agressões de um lado e os poucos apoios de outro.

Probabilidade – com tom leve e bem-humorado, o narrador conta a história de Leonardo, Carla, Mateus e Rafael. Leonardo namora Carla e fica triste quando sua família muda de cidade. Na nova escola, Leonardo é bem recebido por Mateus, que se torna um grande amigo. Mas ele só compreende por que a galera fazia comentários homofóbicos a respeito dele e de Mateus quando este lhe diz ser gay. Um dia, Mateus convida Leonardo para a festa de despedida de um primo, Rafael, que também está de mudança.

Durante a festa, Leonardo conversa com Rafael e, depois da despedida, fica refletindo sobre a atração sexual que sentiu pelo novo amigo que partia. Inicialmente sentiu-se confuso, porque também se sentia atraído por mulheres, mas ficou aliviado quando começou a aceitar sua bissexualidade.

d)   Cartaz e cartas para gestora/r e educadoras/r – o cartaz tem a finalidade de divulgar o projeto para a escola e para a comunidade escolar e as cartas apresentam o kit para o/a gestor(a) e educadores(as), respectivamente.

Capacitação Escola sem Homofobia

Segundo elemento da estratégia, a capacitação teve por objetivo habilitar um grupo de pessoas a atuar como multiplicadoras na compreensão dos conceitos principais e na utilização do kit de material educativo do projeto ESH, como instrumento para contribuir para a erradicação da homofobia no ambiente escolar.

Foram realizadas seis capacitações com cerca de 200 profissionais da educação de todos os estados no uso dos materiais – três em São Paulo e três em Salvador nos meses de agosto e setembro de 2010. Estes/estas profissionais serão multiplicadores(as), responsáveis por capacitar outros(as) profissionais da educação no âmbito local.

A metodologia empregada nas capacitações foi participativa e incorporou técnicas de educomunicação, além de discussões em grupo, troca de experiências. Utilizou técnicas e conteúdos teóricos presentes no Caderno Escola sem Homofobia e incorporou os outros elementos do kit (DVDs/audiovisuais, guias que acompanham os DVDs/audiovisuais, boletins).

Pesquisa qualitativa do projeto Escola sem Homofobia

Foi realizada uma pesquisa qualitativa com o objetivo de conhecer a percepção das autoridades educacionais, equipe docente, funcionários/as e estudantes da rede pública de ensino, sobre a situação da homofobia no ambiente escolar, para dar subsídios ao programa Brasil sem Homofobia. A pesquisa foi realizada em 11 capitais das 5 regiões do país e incluiu em cada capital quatro escolas da rede municipal e estadual. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo MEC/SECAD. A metodologia do projeto de pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP em 15 de julho de 2008. De acordo à Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, o Termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) foi assinado por todos(as) os(as) participantes em entrevistas em profundidade e grupos focais. Todos/a os/as estudantes menores de 18 anos tiveram assinado o TCLE pelos pais ou responsáveis legais. Um total de 1406 participantes de entrevistas e grupos focais que incluíram Secretários/as Municipal e Estadual de educação, diretores/as de escola, coordenadores/as pedagógicos, educadores, outros funcionários como guardas, merendeiras e estudantes de escolas públicas. Os principais resultados da pesquisa mostraram que existe homofobia na escola e houve consenso de que as atitudes e práticas de discriminação e violência trazem consequências sérias para os e as estudantes, que vão desde tristeza, depressão, baixa na autoestima, queda no rendimento escolar, evasão escolar e até casos de suicídio foram relatados. A pesquisa também mostrou que embora exista uma política de educação sexual, na opinião de estudantes e de educadores, não há educação sexual de maneira sistemática na escola e não se abordam as diversidades sexuais. Entre os motivos apontados está a falta compreensão sobre a homossexualidade, a falta de preparo de educadores/as sobre o tema sexualidade e diversidades sexuais, o preconceito que existe na escola sobre o tema, o temor da reação das famílias e a falta de materiais para trabalhar o tema. Os resultados mostraram também uma invisibilidade da população LGBT na escola, houve consenso de que há mais gays que lésbicas na escola e que travestis e transexuais não estão na escola. As recomendações feitas incluíram realizar cursos de capacitação para educadores/as sobre o tema e disponibilizar nas escolas materiais que permitam acabar com a homofobia na escola.

Posição atual quanto ao kit Escola sem Homofobia

Os materiais que compõem o kit estão com o Ministério da Educação, especificamente a Coordenação-Geral de Educação e Direitos Humanos da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD), aguardando o parecer final e aprovação. Uma vez aprovados, o compromisso assumido pela SECAD é de imprimir/copiar e distribuir kits para 6.000 escolas.

Os materiais estarão disponíveis para divulgação somente após a aprovação pela SECAD, quando então a ECOS pretende disponibilizá-los para download no seu site (www.ecos.org.br) e sites parceiros.

Assinam esta Nota Oficial:

ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, bissexuais Travestis e Transexuais

Pathfinder do Brasil.

ECOS – Comunicação em Sexualidade

Reprolatina – Soluções Inovadoras em Saúde Sexual e Reprodutiva

Leia também:

Aprovação do PNE fica para 2012
Comissão Especial que analisa o PL 8035/2010 (novo...
Brasil tem 127 presidiários cursando ensino superi...
Cursar uma graduação é privilégio de 127 internos ...

16 Responses to “Nota Oficial sobre o Projeto Escola Sem Homofobia”

  1. Gilberto on 25 de janeiro de 2011 at 14:35

    Sou Professor Coordenador da rede pública do estado de São Paulo e gostaria de saber se esse projeto será implantado nesse ano. Quero muito que isso dê certo e farei de tudo para o sucesso desse projeto.

  2. Equipe Inclusive on 27 de janeiro de 2011 at 19:51

    Informe-se com os organizadores do material
    http://www.ecos.org.br/index2.asp
    Att,
    Patricia Almeida
    Equipe Inclusive

  3. [...] nem por isso gays, lésbicas e bissexuais mudam suas orietações sexuais. Na verdade, o projeto Escola Sem Homofobia organizado pelo MEC em parceria com instituições LGBTTT prevê a formulação e utilização de [...]

  4. Rodrigo on 19 de abril de 2011 at 22:29

    O kit gay tem seu objetivo pricipal incentivar o homossexualismo entre as crianças, isso faz parte da agenda global. O mundo caminhando pro abismo. Depravação e abominação.

  5. JORGE VIDAL on 25 de abril de 2011 at 10:30

    Ação democrática legitima (a de afirmar que os homossexuais são perseguidos) de pessoas de grande habilidade de Mídia; a qual cito no Blog que vou sugerir no seguimento para conhecimento e avaliação.
    Quando digo grande habilidade no saber como tratar Notícias e Informações; isto decorre do fato da maneira ruidosa e coerente como conseguem transformar um fato (lamentável é claro) em um factóide (fato maximizado, ampliado acima da sua real razão de ser) de grande repercussão, como é feito diversas vezes que ocorre algum tipo de agressão a homossexuais; cujos números estão muito aquém das agressões contra a mulher e as mútuas entre torcedores, pelo fato fútil de serem torcedores de Times diferentes… Comento isto aqui como elogio à forma inteligente como os homossexuais trabalham os Meios de Comunicação, reproduzindo aqui e ali elementos de Merchandising para aprovar o PLC 122.
    É estranho e difícil para eu entender como os homossexuais e a Mídia que têm dentro da sua comunidade ─ hoje e no decorrer da história ─ pessoas inteligentes semelhantes aos filósofos gregos homossexuais: o grande retórico Lísias e o inteligentíssimo Aristófanes, autor do Mito do Andrógino, ver, obra O Banquete da Platão ─; também artistas, intelectuais, pessoas de várias formações acadêmicas e principalmente as da área das Letras; não atentem para o que chamo de estupidez lingüística, que é o chavão acusativo HOMOFÓBICO (de homo-fobia), sabendo-se que homo (latim, homem), homo (grego; igual, semelhante; que é usado em homofobia) e fobia (grego, φόβος ─ medo com decorrente ação retro-ativa de fugir). Do que se conclui que: ao chamarmos alguém de homofóbico estaremos dizendo exatamente ser aquele que tem o sentimento de medo (fobia) a vítima desse (o criminoso no exato entendimento do termo) que lhe infunde medo.
    Não tenho nada absolutamente nada contra os reais direitos dos homossexuais; entretanto tenho tudo contra O PLC 122 OU A DITA LEI HOMOFÓBICA (este é o título do meu Blog), cujo endereço é http://www.verdaderespeitoejustica.blogspot.com , no qual, demonstro ser esta lei, não aquilo que defende os direitos dos homossexuais e sim, um odioso instrumento de Censura; como também está de maneira sintética (sinopse) em outro Blog meu, endereço  http://www.sinteserespeitoejustica.blogspot.com .
    P.S.: Apenas para reforçar como lembrete e gerar interesse ou curiosidade com relação ao Blog citado. CLAUSTRO + FOBIA, FOTO + FOBIA e algumas outras fobias têm plena assertiva nas suas construções, pelo fato óbvio de que quem está enclausurado ou diante de uma forte luz, desesperadamente busca fugir. O que aconteceu com as pessoas que têm conhecimento lingüístico? E o bom senso, o que foi feito dele (no não haver cuidado com o que se escreve e veicula), quando se mantêm o absurdo chavão chamado HOMOFOBIA, que é exatamente contra aquilo que se quer defender?.. Obrigado e parabéns pela dignidade democrática de respeitar opiniões.
    Atenciosamente JORGE VIDAL

  6. [...] não é um kit gay! Trata-se de um conjunto de instrumentos didático-pedagógicos que visam à desconstrução de image…. Ou seja, o material serve para a desmistificação do universo gay. Muito do preconceito e [...]

  7. Viviane on 20 de maio de 2011 at 11:41

    Acho totalmente desnecessário esse kit, uma vez que nossas crianças necessitam de uma educação de qualidade e segurança. Existem providências mais urgentes para priorizar neste país, e acredito que o caminho para que essas crianças respeitem umas as outras com relação ao credo, raça e opção sexual, seja uma melhoria no ensino, maior autoridade ao professor, trabalhar a questão da estrutura familiar, valores e moral. Infelizmente essas questões estão sendo deixadas de lado, dando prioridade ao homosexualismo…. senhores, vocês acreditam realmente que isto será positivo????

  8. DEYVE MARCELO on 22 de maio de 2011 at 16:00

    É A PIOR IDEIA QUE JA TIVERAM UMA IRRESPONSABILIDADE DO PODER PUBLICO AO INVES DE FORMAR OPINIÕES DE CRIANÇAS AO HOMOSSEXUALISMO, POR QUE NÃO SE PREOCUPAM COM MELHORES SALARIOS PARA A EDUCAÇÃO E SEGURANÇA PUBLICA? A OPINIÃO SOBRE SEXUALIDADE DEVE SER DADA DENTRO DE CASA POR SEUS PAIS E NÃO ENSINADA NA ESCOLA E VAI PASSAR UMA OPINIÃO ERRADA A VISTA DA SOCIEDADE CADA FAMILIA QUE CUIDE DE SEUS INTERESSES SEXUAIS E TENHO DITO.

  9. DEYVE MARCELO on 22 de maio de 2011 at 16:03

    E SE UM DIA ESSE TIPO DE MATERIA ENTRAR EM VIGOR NA ESCOLA EU TIRO MEUS FILHOS DA ESCOLA NO ATO SEM EXITAR.

  10. DEYVE MARCELO on 22 de maio de 2011 at 16:11

    O NÃO EXISTE MAIS HOJE NAS ESCOLAS MATERIAS ESSENCIAIS COM EDUCAÇÃO MORAL E CIVICA OSPB, ETC. É INADIMISSIVEL UMA CRIANÇA~NÃO SABER CANTAR O HINO NACIONAL, HOJE EM DIA O QUE IMPORTA PARA NOSSO GOVERNO QUE EXISTAM PESSOAS SEMI ALFABETIZADAS PARA QUE SE POSSAM MANIPULAR AFINS DE POLICA, ELAS TEM QUE SABER ESCREVER PARA PODER VOTAR, COM 16 ANOS VC PODE SER RESPONSAVEL PARA ELEGER UM REPRESENTANTE PARA UM PAIS OU ESTADO MAS NAO PODE SER RESPONSABILIZADO POR UM CRIME, HIPOCRISIA. PAIS DE IDIOTAS.

  11. Vídeos da campanha “Escola sem homofobia” on 24 de maio de 2011 at 10:06

    [...] Encontrando Bianca – por meio de uma narrativa ficcional em primeira pessoa, num tom confessional e sem autocomiseração, como num diário íntimo, José Ricardo/Bianca revela a descoberta e a busca de sua identidade de travesti. Sempre narrada em tempo presente, acompanhamos a trajetória de Bianca e os dilemas de sua convivência dentro do ambiente escolar: sua tendência a se aproximar e se identificar com o universo das meninas; as primeiras vezes em que, em sua casa, se vestiu de mulher; a primeira vez em que foi para a escola com as unhas pintadas, cada vez assumindo mais, no ambiente escolar, sua identidade de travesti; a dificuldade de ser chamada pelo nome (Bianca) com o qual se identifica; os problemas por não conseguir utilizar, sem constrangimentos, tanto o banheiro feminino quanto o masculino; as ameaças e agressões de um lado e os poucos apoios de outro.Fonte: http://www.inclusive.org.br/?p=18368 [...]

  12. Contra Homofobia on 24 de maio de 2011 at 10:36

    [...] Fonte: http://www.inclusive.org.br/?p=18368 [...]

  13. marcia pereira on 10 de agosto de 2011 at 14:51

    Por mais preocupações que as escolas tenham, como diz alguns professores que essa tematica não é necessária que as escolas vão aflorar ainda mais a sexualidade das crianças e jovens, tudo isso é fazer vista grossa para a violencia contra o ser humano nas escolas e em todos os lugares, principalmente quando não é o ” extremo hetero correto” numa sociedade hipócrita como a que vivemos. penso que temos que ter uma visão mais avançada respeitando as diferenças e principalmente respeitando a todos que através da diversidade a diferença se faz necessária. Sempre penso se for meu filho (a), meu neto (a), meu irmão (a)ou mesmo meu aluno, qual minha ação contra a discriminação o preconceito a violencia verbal e física? Quanto tempo ficaremos de braços cruzados esperando a próxima vitima ou porque não faz parte da minha família ficaremos apenas na espreita do que poderá ser mudado esperando algum milagre. Estou anciosa esperando este material tenho certeza que será mais apoio paras trabalharmos com as familias e jovens deste país que conta com a maior diversidade do mundo e finge que que vê.

  14. Rev. Dr. Alberto Thieme on 1 de agosto de 2012 at 17:34

    Vcs falam que este material não vai homossexualizar nossas crianças? É uma piada, desde quando o Ativismo Homossexual, aconchavado com a esquerda Brasileira (PT e seus coligados) + governo e ministros ex-terroristas + comunistas como é Haddad e outros tantos que estão no cabide do governo federal não quiseram manter o poder pelo tempo que puderem? Sim, o Ativismo Homossexual + Feministas são todos movimentos de descontrução familiar que Karl Marx afirmou que “para criar um perfeito Estado socialista, você deve destruir a família. Você tem que pôr o governo e sua autoridade acima dos pais na educação dos filhos”. Oras o que vai causar a Lei PLC 122/06, a Lei da Palmada, as alterações previstas no Códgio Penal quanto a União e Casamento Gay, Adoção por duplas homossexuais, etc. Isto tudo faz parte do plano de tornar o Brasil um país socialista. Se não se lembram vou recordá-los que quando Lula e seu Vice-Presidente se ausentaram juntos a Presidente do STF na época, cancelou todas as leis relativas a união conjugal, casamento, familia, etc, etc. Para o povão, esta mentira cola, mas para os esclarecidos já deu para perceber as segundas intenções de FHC, Lula, Dilma, PT e partidos coligados. Sómente quem fecha os olhos não isto. Vejam no Youtube.com.br as falas do Dr. YVES GANDRA, especialista em Direito Constitucional e não deixe de ler o PNDH-3. Existem muitas outras pessoas bem esclarecidas mostrando o abismo para o qual o Brasil está caminhando, dirigido por estes marginais que nas décadas de 60, 70 e parte de 80, eram terroristas. Sem falar nas falcatruas, desvios de verbas, mensalões, CPI’s que não foram feitas para apurar a morte do ex-Prefeito Celso Daniel. Isto basta !

  15. Gilberto Μαρασλης Passos on 20 de novembro de 2013 at 3:12

    MA RA VI LHO SO. Sem palavras.
    O real motivo da homofobia pode ser explicado em 2 pontos correlacionados-
    - A falta de informacao sobre o q e ser gay e do aspecto genuino das diversas sexualidades;
    - O medo de tornar-se homossexual alimentado pelas pressoes sociais machistas sobre o homem, que deve ser o “ideal de masculinidade”. Isso aliado a falta de informacao leva a entender que ao respeitar as sexualidades nao-heterossexuais pode-se tornar gay. O q ha de mais certo nos estudos academicos de neuropsicologia e endocrinologia e que a sexualidade eh genuina e nao pode ser influenciada. Ora, gays sao geralmente filhos de homossexuais e passam por todo pressao machista da sociedade de tornarem-se o “ideal de masculinidade” e assim so entendem melhor sua condicao e a incapacibilidade de encaixar-se no mundo heterossexual, digo por experiencia propria, sou homossexual e cis. Ha porem gays que nao aceitam sua condicao chegando a descrimina-la devido ao pessimo tratamento que recebe durante toda sua vida. Com certeza com esse projeto as criancas comecariam a entender sua sexualidade e aceita-la. Espero ver esse projeto logo nas escolas brasileiras. Pergunto apenas quando sera efetuado o projeto e se seria tambem em escola particulares

Enviar comentário