O tráfico de órgãos no Brasil

quinta-feira, abril 22, 2010
Ilustração de carta simbolizando o e-mail.

Envie por e-mail





Envie por e-mail | Aumentar a fonte do texto. Diminuir a fonte do texto. | Por Equipe Inclusive

Por Hélio Bicudo

http://twitter.com/Heliobicudo
http://pt-br.facebook.com/people/Helio-Bicudo/100000805737553

O problema do comércio ilegal de órgãos vai se tornando, cada vez mais, de difícil solução porque, ao que tudo indica, o embate se aprofunda, de um lado, na contrariedade de interesses poderosos tendo em vista as grandes somas de dinheiro nele envolvidas e, de outro, num certo desinteresse da própria sociedade em discuti-lo.

Segundo indícios que vêm desvendando fatos, desaparecimentos ou homicídios de crianças e jovens estão, por vezes, ligados ao tráfico de órgãos. Não podemos perder de vista os lamentáveis crimes cometidos em Altamira, com a eliminação de um número significativo de jovens que tiveram seus corpos mutilados em clara atuação de grupos empenhados nesse comércio.

Mais recentemente, tivemos pelo menos dois casos, por assim dizer emblemáticos, que estão a merecer uma investigação mais profunda, que não esmoreça diante de versões que podem ser enganosas. O que está acontecendo, por exemplo, nas confissões de recém egressos de prisões, a esclarecer delitos praticados em série. Há de perguntar-se se há empenho das autoridades policiais e do Ministério Público em ampliar investigações que incriminam ex-presidiários e que podem constituir-se em mera “montagem” para, apresentando casos pretensamente resolvidos, encobrir-se o que realmente aconteceu.

Na verdade, como já se mencionou, as nossas crianças e jovens desaparecem nas ruas e nos descampados e seus corpos mutilados, quando encontrados, não são objeto de exames que possam desvendar a realidade de crimes praticados com a finalidade brutal de comercializar os órgãos das vítimas.

A esse propósito, de acordo com relatório da Organização das Nações Unidas, de cinco a dez por cento dos cerca de 68 mil transplantes anuais de rins realizados no mundo, decorrem de ações criminosas.

Nesse mesmo relatório, a ONU chamou a atenção para a existência de uma prática assustadora: o “turismo do transplante”, onde pessoas ricas dos paises desenvolvidos viajam para os paises mais pobres do segundo mundo, para obter órgãos. No Brasil, além de outros “mecanismos”, pessoas humildes cedem seus órgãos em troca de dinheiro, emprego, habitação ou de outras necessidades básicas.

Tudo isso acontece diante da inércia do poder público, secundada pelo desinteresse ou omissão criminosa de seus agentes.

Abrindo exceção à regra, é salutar constatar que no Poder Judiciário começa a despontar o empenho em não se deixar levar pela lei do menor esforço, mas partir para a exigência de investigações realmente esclarecedoras.

A juíza Mônica Salles Penna Machado condenou mulher denunciada pelo Ministério Público por remover órgão de cadáver, em desacordo com a lei, a pena de dois anos de reclusão e multa, incursa que foi no artigo 14, da lei 9430/97, como apontado na denúncia.

Como se percebe, não obstante a gravidade do tráfico ilegal de órgãos mereça maior atenção, somente recentemente começa a despontar uma salutar reação que permite encarar o problema do ângulo da atuação propriamente delituosa de pessoa que se dispõe a matar para manter a vida de quem pode pagar.

_______________________________

Fonte: O Autor/Blog Direitos Humanos

Leia também:

Educação muda a vida dos detentos do Ceará
"Cheguei aqui sem saber escrever o meu nome. ...
Não há direitos humanos em favelas e tribos indíge...
"O Brasil é um país moderno, democrático, com...

14 Responses to “O tráfico de órgãos no Brasil”

  1. MAQ on 10 de maio de 2010 at 18:20

    Penso ser um absurdo determinadas provocações e afirmações feitas por quem não entende absolutamente nada do assunto. Em primeiro lugar, pode-se fazer transplantes inteiramente grátis e a fila e nacional, portanto, a mesma para pobres e ricos. Em segundo, um orgão fora do organismo humano dura, no máximo, 18 horas e uma cirurgia, em geral, de 4 a 5 horas, o que faria com que alguém tivesse de viajar com um órgão congelado, a pessoa a receber o órgão estar preparada, digo, imunossuprimida, para a cirurgia e fazer a cirurgia e tudo isso em torno de 12 horas no máximo. Quem tem dinheiro não iria em uma clínica clandestina, pagar a uma equipe clandestina, se arriscar contra a lei, para receber um órgão que tem de ser compatível e não se sabe em que condições teria sido “arramcado” da vítima. As possibilidades são tão pequenas, tão pequenas que chega a ser engraçado esse post, sugiro que seja retirado pois, além do mais, torna cada vez mais difícil passar pela burocracia que existe para fazer um transplante.

    Minha doadora, por ser minha amiga de trabalho, até com mais condições financeiras que eu, teve de ir mais de uma vez no ministério público para provar que era ela e que queria me doar o órgão de boa vontade e que não estava sendo induzida a isso. A fantasia das pessoas vai longe e esse espaço tão rico não deveria contê-las.

  2. conceição araujo on 6 de fevereiro de 2011 at 10:50

    MAQ, DEIXA EU METER O DEDO DENTRO DA TUA BOCA PRA VER SE TEUS DENTINHOS SÃO CORTNTES. CRIATURA, SENTA OS PÉS NO CHÃO. NESTE BRASIL VÉI DE UMA FIGA, ACONTECE TODOS OS DIAS. VC SABE PRA ONDE VÃO AS CRIANÇAS E JOVENS DESAPARECIDOS QUE NÃO APARECEM NUNCA MAIS? NÃO, NÃO SABE.POIS EU LHE DIGO QUE O MEU SEXTO SENIDO ESTÁ DIZENDO QUE ELES ESTÃO ENTERRADOS EM ALGUM PAÚS DA EUROPA, OU MESMO DA AMÉRICA DO SUL. EU ESTOU FICANDO COM NOJO DAS AUTORIDADES DO BRASIL. NOJO, NOJO, RAIVA. OU RAÇA DESCLASSIFICADA. E TEM MAIS, UM HOMEM DO NAIPE DE HÉLIO BICUDO, JAMAIS COMETERIA A LEVIANDADE DE DIZER UMA COISA MENTIROSA SOBRE UM ASSUNTO TÃO GRAVE.

  3. thais on 25 de fevereiro de 2011 at 11:15

    Em que mundo esse MAQ vive? Quanta ingenuidade achar que esse tipo de coisa não acontece, ainda mais em um país como o Brasil. Acorda, criatura!!! Não feche os olhos para um problema que acontece sim!

  4. kayth on 10 de março de 2011 at 18:07

    É DEMÔNIACO TIRAR O ORGÃOS DE ALGUÉM, CHEGA
    DE GANANCIA
    DE EGOISMO E
    MUITA MALDADE
    JESUS VOLTE LOGO SOBRE CÉU E COM PODER DE MUITA GLÓRIA
    ESTAMOS CANSADOS DE TANTO ORROR…
    NÃO AGUNENTO MAIS…
    TIRA OS MEUS ORGÃOS DE APENAS 15 ANOS DE FUNCIONAMENTO E TODOS BEM BONS, DO QUE DE CRIANÇAS.
    CHEGA!!!

  5. Cláudio on 5 de maio de 2011 at 21:55

    É! SÓ DEUS MESMO PARA TER MISERICÓRDIA DE TANTA MALDADE, MAS JESUS JÁ TEM UM LUGAR PREPADO PARA TODOS ELES QUE ESTÃO RANCANDO ORGÃOS PARA GANHAR DINHEIRO, MAS AINDA TÁ EM TEMPO DE ELES SE ARREPENDEREM E ACEITAR JESUS!!!!!!!

  6. Diigooh on 8 de maio de 2011 at 14:18

    CONCORDO PLENAMENTE COM kayth
    NÃO AGUENTO MAIIS TANTA MALDADE NESSE MUNDO

    VOLTA LOGO MEU SENHOR JESUS :’(

  7. Tainá on 12 de maio de 2011 at 14:19

    chega de tanta maldade eles sao tao corvades que so pega crianças, por q nao pega um homem forte?

  8. Telma Rodrigues on 28 de maio de 2011 at 15:02

    Tudo i que eu digitar aqui é pouco para expressar a dor de perder um filho para o tráfico, a não ser orar por tais profissionais ambicioso, maldosos que em troca de alguns $$$$$ em sua contas ceifam vidas e desestruturas familias. O maior conforto é esperar na justiça DIVIDA. Tarda mais não FALTA.

  9. Valéria on 1 de agosto de 2011 at 20:12

    MAQ acorda pra vida,o que que é vive numa caverna??? Éssa é uma verdade nua e crua e esses documentários teem que circular na sociedade, para que todos possam se precaver na medida do possível.
    Por que será que o ser humano é tão ambicioso, se acha o dono do mundo a tal ponto de estar engajado numa tramóia dessas, quantas vidas tiradas em virtude da fortuna onde vamos parar com tanta crueldade?

  10. Bill on 23 de outubro de 2011 at 14:23

    Obviamente, para fazer um transplante renal, necessita-se de um doador, que pode ser uma pessoa viva – um parente, um irmão ou o pai – que doe o órgão para a pessoa que dele precisa. Nesse caso, as cirurgias do doador e do receptor são feitas ao mesmo tempo. Uma equipe cirúrgica retira o rim do doador com parte de uma artéria, de uma veia e um ureter numa sala, enquanto em outra sala a equipe de transplante prepara o receptor para receber esse rim tão logo ele seja extraído. A seguir, emendam-se a artéria e a veia do doador na artéria e na veia do receptor e o ureter em sua bexiga. Feito isso, está terminado o transplante.então MAQ tu tem toda razão.As possibilidades são tão pequenas, Quem tem dinheiro não iria em uma clínica clandestina e por em risco a propria vida.isso envolve mta pessoa nenhum proficional se arricaria por anos de estudos por pouco dinheiro.isso custaria oque !!!30mil 100mil não mto mais que isso.

    O tráfico de órgãos no Brasil é mito…

  11. Roberto on 17 de novembro de 2011 at 15:28

    o trafico de orgãos um grande poblema hoje em dia pois desafia as leis dos direitos humanos…..é uma pena que isso aconteça

  12. ina on 25 de junho de 2012 at 14:00

    nao da para cofiar em ninguem nesse mundo

  13. Jack on 3 de março de 2013 at 15:09

    Bill, você já parou pra pesquisar em outras fontes a gravidade desse problema?

    Segundo o ministério público federal os países que mais vendem órgãos sãos os países subdesenvolvidos ou emergentes como o Brasil e os que mais compram são os acima da Linha do Equador, como por exemplo EUA, muitos países da União Européia e até mesmo a Arábia Saudita, ou seja, são países ricos e desenvolvidos onde seus habitantes possuem sim de 30 mil ou até 100 mil reais para comprar órgãos.
    E para sua informações não faltam profissionais para esse tipo de serviço, pois infelizmente eles só estão interessados no dinheiro e não dão a mínima para o protagonismo profissional e social.
    Esse tipo de crime organizado, também é chamado de “Máfia de Branco”, e é mais complexo do que possamos imaginar, ele está na terceira colocação entre as atividades mais lucrativas do mercado negro, perdendo apenas para o tráfico de drogas e armas, ou seja a proporção dessa atividade é gigantesca.
    Portanto Bill e Maq vocês deveriam reformular seus conceitos e visões a respeito desse assunto, pois é um problema praticamente insolúvel e que só está aumentando.

  14. cristina goulart de menezes on 13 de maio de 2013 at 10:47

    gostaria de receber emails sobre o tema!

Enviar comentário